sexta-feira, 23 de outubro de 2009

repetição


Uma folha de papel em branco é o mesmo que não acontecer nada,
Escrever a lápis em uma folha de papel em branco é como marcá-la de forma temporária,
Usar a borracha nessa mesma folha pode não ser a melhor opção, na tentativa de apagar algo escrito com força, o resultado é a remoção de excesso da parte visível aos olhos, mas ficam as marcas, marcas que não saem mais.

Ainda sim eu escolheria um lápis a uma faca.

Facas são pontiagudas, certeiras e doloridas, como o amor?
O ferimento com a faca pode ser superficial quando você está preparando a primeira refeição que tanto desejou para impressionar outros olhos,
Mas por coisas do destino, astucia talvez, ou simplesmente por descuido de você com você mesmo, a faca escorregou e ao tentar segurá-la o ferimento foi pra lá de profundo, pele adentro com muita intensidade,
Pode-se dizer que no exato momento não sentiu nada, na verdade existe o êxtase, euforia e elucubrações do que realmente está acontecendo;
E depois tudo se torna dramático e doloroso quando o que se tem a fazer é retirá-la, durante é só sofrimento e depois dor e as cicatrizes que não sairão mais.


Não ser mais uma folha de papel em branco é difícil, ter cicatrizes profundas
torna tudo mais difícil;
Simplesmente não se permite mais brincar com facas.

Eu repetiria tudo que eu já disse com a mesma intensidade, mas eu já não tenho
mais essa opção, pois eu escolhi ser escolhida, e não me martirizar por algo que não
é pra ser meu, ainda assim eu voltaria.

E no final pra que serve ser uma folha em branco? pra virar uma dobradura?

Um comentário:

Bruno disse...

De nada adianta uma folha em branco, se aquilo que nós orgulhamos, são nossas marcas.

Algumas mais dolorosas do que outras, mas ainda assim todas nossas, e que de uma forma ou de outra, nenhum de nós abre mão delas... a questão é... vale a pena nos martirizarmos pelas lembranças dolorosas, ou será que é seremos melhores e mais felizes se lembrarmos das boas?

O q somos ,o q sentimos, o q queremos e o q temos, dependem somente de nos mesmos.