sexta-feira, 17 de junho de 2011

E daí?!

Eu não sei exatamente pelo que as pessoas são motivadas a escrever, alias, nem pelo que eu sou,
a única coisa clara pra mim, é como eu me sinto quando consigo escrever.

Nunca vou esquecer quando eu fui surpreendia por uma pessoa que me motivava a fazer isso,
também nunca vou esquecer quando conheci outra que me fez parar.
E assim que eu vi, percebi, que eu não escrevia por mim, e sim pelas outras pessoas, mas não era pra elas, era pra mim.

Não importa o quanto eu esteja determinada a parecer clara, ou me fazer entender, não estou na verdade,
escrever palavras desconexas tem dois objetivos: Me livrar delas, e curtir a sensação de estar livre delas.

A questão é que eu não queria mais falar de mim, eu sou a complexidade expressada em pessoa, e daí?
isso não muda nada, quando eu parei de escrever foi porque eu tinha decidido para de filosofar sobre as coisas que aconteciam e decidi testar possibilidades.

Se eu fosse uma pessoa coerente eu diria os resultados em que eu obtive nessa experiência impertinente,
mas eu não quero, claro, se fosse positivo eu nem estaria aqui. O Mauro levou o poder de coesão das palavras com ele quando chegou o Twitter, odeio o Mauro por isso.

Eu sei que nada faz sentido, mas já me sinto melhor.

3 comentários:

Mary disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mary disse...

Às vezes perdemos tempo buscando inspiração onde não há.
Talvez, seja por isso que seus textos mudaram tanto, não apenas por ser uma pessoa complexa, ou por algm não gerir desejo de escrita em vc. Mas por buscar inspiração nas pessoas erradas, ou em sentimentos idealizados. Existe tanta coisa real no nosso dia a dia, que alimentar algo imaginário, vivido apenas no virtual, por tanto tempo, se faz desnecessário.
Não nego que um relacionamento virtual, mexa com os sentimentos, nem que seja sedutor - charmoso e indescritivelmente intenso. Mas é tudo tão mais complexo e completo qndo estamos juntos a adaptação ao real, ao cheiro, aos gostos, ao modo de vestir, de falar. É uma intensidade diferente, uma vida nova, sonhos falados e planejados lado a lado. O amor vivido é tão mais gostoso.
Que talvez, seja impossível voltar a ser o que era enquanto blogueira, causar de novo elogios e comparações a poetisas, se continuar canalizando seus ideais ao que já passou.
Achar que a pessoa mudou seus interesses e por isso te falta inspiração e escrita, talvez, não seja a forma mais realista, de ver que as coisas mudam na vida real das pessoas e que as redes sociais apenas se adaptam a isso. Ngm pode estar casado na vida real e continuar dizendo que ama outra no MSN. Ou continuar a disposição do “on-line”. Causando inspirações pelo mundo a fora.

Beth disse...

...eu tbm e pelo mesmo motivo!!