segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

.engano dois [ parte 2 ]

Interrompendo todo aquele pensamento ela volta a realidade e escuta:
- Puts, esse cheiro, fiquei com vontade da tal pipoca, vou buscar.
Pronto, dessa “hora propícia” não restavam mais esperanças, ela tinha trabalhado o dia todo, cansaço,então no momento reflexão, recosta a cabeça sobre o braço, fecha os olhos e por três minutos se permitiu não pensar em nada. Ele volta.
Agora ao invés de beijá-la enlouquecidamente, devorava o pacote de pipoca a qual ela não aceitara, já que o aparelho não é muito amigo de comida. Começa o trailer, ambos escolheram a mesma formação, o que tinha grande tendência por cores, objetos, imagens e sons, que agora se formavam em grandes proporções na tela do cinema que começava a brilhar logo a frente. Paciência pensou.

Não tinha adorado a idéia de ser trocada pela pipoca, mas se conformara com a situação, entendendo que a pipoca era apenas a outra ocupando no lugar dela o colo dele, e pior ele é quem tinha escolhido isto, pensando bem se ele estivesse tentando evitar alguma coisa a atitude parecia imatura, eu não me jogaria a força nos braços dele, não seria necessário tanto medo, não faria isso mesmo que não tivesse pipoca pensa ela com cara de displicência.
- Não entendo esse comercial, interrompe de novo todo aquele desvario dela.
Correndo de volta do longe em que ela tinha ido, procurou em sua memória desesperada o que tinha passado na telona em sua frente, já que as idéias tinham ido pra bem longe dali, e a imagem tinha ficado em segundo plano, passando pelo arquivo [comerciais] encontrou, 2007 – Coca –cola zero, Explica.

Em seguida abertura(aquela lentíssima de filmes nacionais, da tela preta e letrinhas branca e vermelho). A garota se deu por perdida, sabia que não resistiria ao filme e que depois dali era o inevitável fim, Que diferença faz, ela se pergunta, não iria acontecer nada mesmo... (continua)

Um comentário:

Pra quem não sabe disse...

Taí um blog aos moldes de diário para eu vou me desfazer e refazer entre pausas e correrias dessa vida.

E confesso que me despertou o interesse o desfecho dessa história. Bem escrita, articulada e com ares adolescente: o que afinal é o meu "para sempre período da vida".

So good :-)