domingo, 1 de fevereiro de 2009

.cartas

Escrever cartas?

A finalidade não clara, mal traçada e sem objetivo ofusca as palavras nela contida e que às vezes não dizem a que vieram.
Deixa confuso o destinatário que muito tem com isso, mas que o esforço independe da compreensão e acaba misturando o começo, meio e fim deixando tudo no ar.
O remetente se retém em não dizer tudo que lhe cabia, talvez por medo de que a carta não chegue ao seu destino, talvez pela timidez que o aflige, ou ainda sua própria dificuldade em dizer. O que esconde a real intenção entre as linhas e o objetivo inicial não se cumpre.
Existem muitas mais coisas entre o que queria dizer, o que disse, o caminho que as palavras deveriam percorrer, como elas serão lidas e por fim de que forma compreendidas.
Por aí se vê que se escondem aqui mesmo tudo que era pra ser dito, que quem as desorganiza era de caso pensado, premeditando que elas não cumpram ao que se propõe.
Nas circunstâncias, diz e diz, e nada diz, fala-se e se tem a sensação de ter recebido uma carta de uma folha inteira que na realidade estava em branco.
Não escrevo, não lês, nada temos com isso e adiamos as palavras que não entraram no correio.
Solidariamente um ao outro esquecemos o assunto.

Um comentário:

o irmão disse...

taí... isso sim é confundir o leitor!
Por isso tem tanto brasileiro que não gosta de ler...rsrsrs
Mas eu gostei.